Declaração de bens e de renda

O vereador Renato Cinco não possui, conforme declarado ao TSE e à Receia Federal, bens. Para verificar a declaração publicada pelo TSE, basta acessar http://divulgacand2012.tse.jus.br/divulgacand2012/abrirTelaPesquisaCandidatosPorUF.action?siglaUFSelecionada=RJ. Depois, indicar o município do Rio de Janeiro e buscar, no item “Candidatos a Vereador”, o nome Renato Athayde Silva, nome de batismo de Renato Cinco. O interessado encontrará, além de outras informações, a “Declaração de bens”. Como Renato não possui bens, não há nada declarado.

Quanto à renda, ela corresponde ao subsídio de vereador, de R$ 15.031,76 (bruto, ou seja, sem descontos), conforme está disponível no sítio da Câmara Municipal (http://www.camara.rj.gov.br/controle_transp.php?mt1=vencimentos&mt2=vereador&url=http://www.camara.rj.gov.br/scriptcase/v5/file/doc/vereadores.htm). Vale notar que Cinco não possui outra fonte de renda.

Prestação de contas da campanha de 2012

A prestação de contas da campanha de 2012 está disponível no sítio do TSE. Basta acessar http://inter01.tse.jus.br/spceweb.consulta.receitasdespesas2012/resumoReceitasByCandidato.action?sqCandidato=190000002983&sgUe=60011&filtro=S.

Planejamento do mandato

Perfil do mandato:

O mandato buscará ter um perfil de esquerda, libertário, ecossocialista e de opinião.

Eixos prioritário de atuação:

1. Drogas e Saúde Mental;

Numa cidade como o Rio, é importante debate a política de drogas. Infelizmente, a ação da atual prefeitura é perversa. De um lado, não investe na rede de saúde pública e assistência social para garantir a atenção integral aos usuários de álcool e outras drogas. De outro, promove o recolhimento compulsório de pessoas em situação de rua, sem oferecer um atendimento básico em saúde, fato largamente denunciado pelo seu caráter discriminatório, violento e ineficaz.

Precisamos fortalecer a luta pela legalização e contra as arbitrariedades e o obscurantismo das políticas proibicionistas. Em vez de demonizar as drogas, é preciso tratá-las como uma questão de saúde pública, investindo na Redução de Danos, estratégia adotada com sucesso em muitas partes do mundo e pouco desenvolvida na nossa cidade. É fundamental a criação dos Consultórios de Rua (com uma equipe interdisciplinar que preste atendimento diretamente à população em situação de risco e vulnerabilidade social) e a ampliação da rede de Centros de Atenção Psicossocial para Álcool e outras Drogas (CAPSad).

Além disso, é preciso lutar contra a repressão policial que atua de acordo com a classe social e com a cor de pele. A “guerra às drogas” fracassou e só produziu mais violência e preconceito. Defendemos a legalização da maconha como um primeiro passo contra o processo de militarização da cidade e queremos discutir a política de drogas no país, sem hipocrisia.

Nossa luta é em defesa da vida, da liberdade e da justiça social. Uma cidade militarizada não serve a quem nela mora e trabalha, mas sim a quem a explora.

2. Educação;

Renato Cinco participou ativamente do movimento estudantil e luta pelas reivindicações dos profissionais da educação. Hoje sofremos com projetos privatizantes, baseados em metas, em detrimento de uma pedagogia crítica.

Para nós, educação não é mercadoria! Propomos melhores salários e um plano de carreira que valorize professores e funcionários, bem como somos contra a aprovação automática e os programas que tentam maquiá-la. Lutamos por uma escola democrática e com autonomia pedagógica. O respeito à organização política é fundamental, a partir dos sindicatos e grêmios livres. Da mesma forma, os estudantes devem se locomover livremente pela cidade, com direito ao passe livre irrestrito.

Defendemos a educação laica, não sexista e não homofóbica. A diversidade é o primeiro passo para uma educação libertadora! Também são necessárias creches e escolas infantis em horário integral, para a autonomia das mulheres, historicamente responsáveis pelo cuidado familiar, e para o atendimento integral à infância.

Nossa luta é por uma escola democrática e autônoma. Defendemos a efetivação de 25% dos recursos do município e 10% do PIB para a educação!

3. Cidade e Direitos Humanos.

O Rio deveria ser um bom lugar para se viver, morar e trabalhar. Entretanto, o prefeito se esforça para transformar a cidade em balcão de negócios, ótimo para a especulação imobiliária. Enquanto terrenos são doados para grandes empresas que recebem dinheiro público e isenção de impostos, o preço dos imóveis e aluguéis expulsa a população para regiões distantes e sem infraestrutura.

Os bens e serviços se concentram no centro e nas áreas nobres, o que torna a cidade muito desigual. Para mudar esta realidade, o município deve investir em moradia popular nas regiões centrais e em transporte coletivo, barato e de qualidade, com passe livre para os estudantes.

Em nome da Copa e das Olimpíadas, leis são desrespeitadas, milhões são gastos em obras duvidosas, e comunidades são removidas violentamente. Ao mesmo tempo, os serviços públicos agonizam, trabalhadores ambulantes são criminalizados, artistas de rua perseguidos, e indústrias poluem as baías de Guanabara e Sepetiba.

Os direitos da população não podem ficar reféns da ganância de poucos, por isso somos contra a privatização do espaço e dos serviços públicos. Os recursos municipais devem servir para melhorar a qualidade de vida, com educação e saúde de qualidade, verdadeiramente públicas, sem a farsa das OS’s.

As decisões da cidade devem passar por mecanismos de transparência e participação popular, com o direito de manifestação efetivamente respeitado.

Para além de tais eixos prioritários, o mandato buscará assumir, secundariamente, os seguintes eixos transversais: a) contra as opressões (LGBTTs, mulheres etc.); b) defesa dos direitos dos servidores públicos municipais; c) ecossocialismo; d) luta pela democratização da comunicação; e) defesa da radicalização da democracia; f) fortalecimento do PSOL.

Comunicação:

1. Sítio www.renatocinco.com;

2. Páginas no facebook, twitter e youtube;

3. Boletim eletrônico semanal;

4. Boletim impresso semanal;

5. Gabinete de Rua (banquinhas semanais em locais com grande concentração de eleitores de Renato Cinco).

Funcionamento interno do mandato:

1. A assessoria se reune semanalmente, toda segunda-feira, para definir a linha de atuação do mandato;

2. As equipes temáticas do mandato (mencionadas no organograma), formadas pela assessoria, também fazem reuniões semanais;

3. Semestralmente, são realizados seminários da assessoria.

Funcionamento externo do mandato (com a participação de apoiadores):

1. Reuniões do Conselho Político;

2. Plenárias gerais, abertas à participação de todos os apoiadores;

3. Plenárias temáticas.

Organograma do gabinete

Coordenação

Daniel Domingues Monteiro (Assessor-Especial)

Guilherme Jose Amilcar Lemos Marques (Oficial de Gabinete)

Liliana Maiques Alves (Assessor-Chefe)

Equipe Interna

Avelino Ronald Braga Teixeira (Oficial de Gabinete)

Dejair Dias de Souza (Assistente I)

Jorge de Souza Baracho (Servidor Efetivo requisitado)

Mara Tutiari Teixeira Fonseca (Servidor Efetivo requisitado)

Patric da Silva Brandão (Auxiliar de Gabinete)

Suporte Jurídico

Juliana Thomas Kazan (Assessor)

Pedro Antonio Sarno Bomfim (Consultor)

Talita da Silva Araujo (Auxiliar de Gabinete)

Cidade, Direitos Humanos e Ecossocialismo

Carmen Veronica dos Santos Castro (Auxiliar de Gabinete)

Eduardo Pessoa de Andrade (Secretário II)

Leonardo Pereira Mota (Oficial de Gabinete)

Pedro Eduardo Graça Aranha (Oficial de Gabinete)

Sergio Roberto Monteiro Alves (Assessor)

Drogas e Saúde Mental

Thiago Braga Vieira (Oficial de Gabinete)

Educação

Alessandra Bruno (Secretário II)

Comunicação

João Gabriel Henriques Pinheiro (Auxiliar de Gabinete)

Marco Antonio Gracie Corte Imperial (Servidor Efetivo requisitado)

Mariana Silva Jardim Reis (Oficial de Gabinete)

Renata Lobarinhas Stuart Ferreira (Auxiliar de Gabinete)

Gabinete de Rua

Vitor Mariano Rosa Júnior (Assistente I)