25 de julho: dia de luta das mulheres negras

Neste sábado, dia 25 de julho, é celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha e o Dia Nacional de Teresa de Benguela. A data marca a resistência de quem sente na pele as opressões de um mundo profundamente desigual.

O distanciamento social e a crise sanitária também são sentidos mais duramente pela população negra e, em especial as mulheres, são as que mais sofrem nesta pandemia. Dados oficiais revelam que os casos de violência contra a mulher dobraram nesse período. O racismo estrutural e as desigualdades de gênero, potencializam essa violência junto com a pobreza e a discriminação.

Saiba mais: pesquisadores do Grupo de Trabalho Racismo e Saúde, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), analisaram a letalidade da pandemia entre as pessoas negras e publicaram uma nota técnica sobre o tema na segunda-feira (20): https://brazil.unfpa.org/pt-br/news/racismo-na-sociedade-brasileira-aumenta-exposi%C3%A7%C3%A3o-de-pessoas-negras-%C3%A0-covid-19-e-limita

Por isso, o mês de julho também é mês de luta. Confira algumas agendas especiais para este fim de semana, marque presença e fortaleça a luta das mulheres negras:

Com o mote “Nem cárcere, nem tiro, nem Covid: corpos negros vivos! Mulheres negras e indígenas! Por nós, por todas nós, pelo bem viver!”, a Marcha de Mulheres Negras de São Paulo vai apresentar uma programação online, com intervenções de rua que serão transmitidas ao vivo neste sábado a partir das 16 horas:

Em tempos de pandemia, o Projeto Mulheres Negras e Democracia lança seu primeiro podcast Especial Mulheres Negras e Covid-19, com o tema da violência contra a Mulher: https://soscorpo.org/podcast-especial-mulheres-negras-e-covid-19/

E, no domingo, acontecerá a #LiveElzaPorMarielle em homenagem ao aniversário de Marielle, às 19 horas, no YouTube do Instituto Marielle Franco

Esse é um fim de semana de celebração, de memória e de lutar por justiça!