Com reabertura precipitada, pandemia volta a crescer no Rio

O aumento no número de novos casos e óbitos por COVID-19 na cidade do Rio, depois de algumas semanas de enfraquecimento da pandemia, liga o sinal de alerta sobre as medidas de reabertura.

Até a última quinta-feira (27) foram contabilizados 9566 mortes por COVID-19 na cidade do Rio, com o oitavo dia seguido com tendência de alta na média móvel de óbitos. A média diária de novas mortes mais do que dobrou, passando de 29,71 para 69,43, o maior patamar desde 9 de julho.

Ao comentar sobre o assunto, Renato Cinco lamentou que a prefeitura tenha ignorado as recomendações de instituições científicas, como a Fiocruz e a UFRJ, que não aconselhavam o retorno das atividades no ritmo proposto pelo prefeito Crivella.

“A prefeitura selecionou apenas alguns dados, como a taxa de ocupação de leitos, para justificar a reabertura e ignorou outros critérios, como o índice de transmissão, que apontavam a necessidade de manter o isolamento,” lamentou Cinco.

Veja a íntegra do discurso:

Nosso mandato sempre se posicionou de forma crítica ao cronograma do prefeito Crivella de reabertura de atividades não essenciais. Seguimos mobilizados e mobilizando contra a reabertura das escolas, que pode provocar um aumento ainda maior no número de casos de COVID-19 e óbitos.

Por isso, apoiamos a Greve pela Vida aprovada por profissionais de educação da rede pública e da rede particular contra a reabertura precipitada as escolas.