8 anos de lutas e conquistas

Para quem está na batalha por dias melhores ou simplesmente tentando sobreviver em um mundo tão caótico, certamente 2020 está sendo bem pesado. A tristeza, o medo, a incerteza e as angústias tomam conta. A revolta é inevitável. São mais de cem mil vidas perdidas no país para a Covid-19, estamos a mais de 5 meses com as nossas rotinas alteradas e com problemas que se agravam em tempos de crise. Não tem assistência médica para todos, não tem moradia para muitos e mesmo durante a pandemia, parte da população não tem água na torneira para lavar as mãos! O desemprego cresceu, o terror de perder o emprego também. E muitos trabalhadores viram-se obrigados a se aglomerar em ônibus lotados para trabalhar e continuar assegurando a comida na mesa da família.

Com a crise ainda em alta, profissionais da educação e toda a comunidade escolar precisam se mobilizar contra a reabertura precoce das escolas. Familiares adoecem, parentes, amigos, gente querida se vai. É um cenário adverso, doloroso e ainda temos os velhos problemas: operações policiais e mortes nas favelas mostram que o racismo continua a matar. Foi preciso romper o isolamento e ir às ruas para dizer: vidas negras importam.

E nem mesmo a crise sanitária faz parar a sanha dos capitalistas genocidas, ecocidas. Enquanto o planeta grita e a Groelândia derrete, o desgoverno brasileiro segue devastando o nosso pulmão, a Amazônia. A máscara que nos protege contra o novo coronavírus não nos impede de respirar, mas a política sim. E diante de tanto caos, não é difícil entender a descrença do povo com os governantes e a rejeição à organização política.

Mesmo com um cenário desfavorável, nós acreditamos que é possível construir uma política radical e que atenda demandas da classe trabalhadora. E assim tem sido a nossa atuação no parlamento da cidade do Rio. Há 8 anos ocupamos a Câmara Municipal dispostos a uma tarefa bastante plural e desafiadora: defender os direitos do povo. A luta das mulheres, o respeito à diversidade sexual, a luta contra o racismo e o extermínio da juventude negra em nome de uma falsa “guerra às drogas”, a luta em defesa da natureza e da vida, dos povos indígenas e quilombolas na defesa de seus territórios, a luta por uma educação pública, gratuita e socialmente referenciada, a luta por uma cidade para as pessoas e não para o capital.

Foram muitas as batalhas e, apesar de muitas derrotas, também obtivemos importantes vitórias. Em tempos de desencanto e de distanciamento social, vamos reviver as nossas lutas e conquistas ao longo dos anos com você, camarada. Afinal, o nosso mandato desde o início buscou ser caixa de ressonância dos anseios das ruas, do povo organizado. Até aqui, conseguimos aprovar 33 leis e três emendas à Lei Orgânica do Município, como a ampliação da licença paternidade de servidores municipais para 20 dias (Emenda 27/2017) e a Lei 6.300/2017 que “estabelece a Redução de Danos e Riscos como política municipal de saúde”.

Durante o mês de setembro, traremos matérias que contam um pouco da nossa história. As nossas mídias também estão repletas de fatos que marcaram a trajetória coletiva como vereador do Rio de Janeiro. Seguimos na luta ecossocialista e libertária! Acesse: http://jornal.renatocinco.com.br/