Derrotar Bolsonaro é urgente

Desumano, despreparado, misógino, homofóbico, racista, ultradireitista, negacionista, ecocida, genocida. O atual presidente do Brasil reúne inúmeros defeitos e ameaça qualquer pessoa que luta por direitos.

Bolsonaro assumiu a presidência com o ego inflamado pela cultura do ódio em 2018 e desde lá segue de crise em crise levando o Brasil ao colapso. O país agora ocupa a pior posição no ranking mundial da Covid-19 e o presidente idem: o governo teve a avaliação mais negativa do mundo no enfrentamento à pandemia, de acordo com os dados do Índice de Percepção da Democracia. A pesquisa foi realizada pelo Instituto Dalia entre 20 de abril e três de junho e levou em conta a opinião da população residente em cada uma das 53 nações avaliadas.

Não podíamos esperar resultado diferente. Estamos chegando a 125 mil mortes. Vidas perdidas para a Covid-19 enquanto o presidente responde com “e, daí!”, aposta na cloroquina (comprovadamente ineficaz para o novo coronavírus), promove aglomerações, deixa o país sem ministro da Saúde (a pasta está sendo conduzida pelo interino Pazuello há mais de cem dias) e para piorar anuncia corte pela metade no auxílio emergencial e reforma administrativa. Tudo isso, enquanto seus familiares e aliados são investigados por desvio de dinheiro. A primeira-dama Michelle Bolsonaro, recebeu 27 depósitos que totalizam R$ 89 mil de Fabrício Queiroz (ex-assessor de Flávio Bolsonaro) e da esposa dele, Marcia Aguiar, entre 2011 e 2016.

O presidente que enchia a boca para falar de combate à corrupção, permanece calado enquanto as investigações avançam.

E segue devastando. Bolsonaro e o sinistro Ricardo Salles têm investido no desmonte dos órgãos de fiscalização e em revogação para fazer “passar a boiada”, principalmente na Amazônia. O avanço descontrolado de motosserras e incêndios criminosos, são reflexos da conivência do governo. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectou um desmatamento na Amazônia de 2.032 quilômetros quadrados, uma área 33% maior que a cidade de São Paulo. A destruição aumentou 34% em comparação aos mesmos cinco meses do ano passado.

Nosso mandato sempre combateu a extrema direita. Muito antes da eleição de Jair Bolsonaro, Cinco já confrontava seu filho, Carlos, na Câmara Municipal:

Cinco também esteve na linha de frente da luta pelo “Fora Bolsonaro e Mourão”. E foi um dos primeiros signatários do pedido de impeachment apresentado pela deputada federal Fernanda Melchionna, do PSOL, também subscrito por artistas, intelectuais, lideranças dos movimentos sociais e mais de um milhão de pessoas: https://fernandapsol.com.br/forabolsonaro

Somente a mobilização da classe trabalhadora e da juventude pode derrotar a extrema direita e construir uma nova sociedade, mais justa e igualitária. Em outras palavras: uma sociedade socialista. O Mandato Ecossocialista e Libertário está a serviço dessa mobilização.

Seguimos em luta para derrotar Bolsonaro e sua política genocida. Fora Bolsonaro!

Saiba mais sobre essa e outras lutas em: http://jornal.renatocinco.com.br/forabolsonaro