Vereadores e judiciário pressionam e secretária de educação recua

Foram muitos os pedidos de encontro até que, finalmente, na tarde de quinta-feira (24), a secretaria municipal de educação, Helena Bomeny, recebeu os vereadores do Rio para uma conversa. No encontro, os parlamentares Renato Cinco, Eliomar Coelho e Paulo Pinheiro – todos do PSOL -, entre outros, pediram o recuo da prefeitura nas punições à greve. O grupo entregou um documento com três pontos principais:

1º Devolução dos salários dos grevistas.

2º Anulação do conceito de “inaptidão” aos que estavam em estágio probatório e participaram da greve.

3º Anulação dos inquéritos que foram abertos contra os grevistas.

A secretária se comprometeu a receber o SEPE para dialogar e, aparentemente, se mostrou disposta a recuar.

Na última quarta-feira (23), uma liminar do Tribunal de Justiça determinou que a prefeitura devolva o dinheiro descontado dos profissionais de educação que participaram do movimento grevista.
A estimativa do SEPE é de que mais de 500 servidores tiveram descontos nos salários.
A liminar também considerou que nenhum educador pode ser considerado inapto para o exercício de sua função, até que haja um julgamento definitivo sobre a legalidade ou a ilegalidade da greve.
Foi uma importante vitória, mas ainda cabe recurso. A pressão precisa continuar para que a secretaria desista verdadeiramente dessas punições descabidas.