Contra o 6º ano experimental

5Profissionais da rede municipal de educação se reuniram, no último sábado (29), para mais uma assembleia. Na pauta, os descontos nos salários, que continuaram neste mês de dezembro; a falta de democracia nas eleições para a direção das escolas; e o anúncio de que os alunos do 6º ano teriam aula com um único professor. Neste modelo, os professores são encarregados de administrar todas as matérias para a turma, sem possuir formação específica.

Alguns professores já declaram que o êxito do 6º ano experimental só ocorre porque os alunos que participam são selecionados. Além disso, eles recebem treinamento para as provas da secretaria e o conteúdo do ano letivo é superficialmente abordado.

Os educadores declararam sua contrariedade com esta medida, que suprime o professor especialista do 6° ano. Uma política educacional que não valoriza a carreira do professor e adia problemas sérios, como o analfabetismo funcional.

Vale lembrar que no ano passado, em entrevista ao jornalista Boechat, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) alegou desconhecer estas práticas na rede municipal de ensino e garantiu que não colocaria seus filhos em uma escola com um professor polivalente.

O mandato do vereador Renato Cinco (PSOL) enviou um requerimento de informação sobre este tema e espera os devidos esclarecimentos da prefeitura.

Na assembleia, o grupo aprovou algumas mobilizações, como as campanhas contra o 6º ano experimental e contra as políticas de ataque aos profissionais de educação.