Ato pede a liberdade de cultivadores presos

Central do Brasil, 9 de março de 2015, 16h20. A chuva fina apressava os passos da multidão, que caminhava em direção ao terminal de trens e ônibus. Neste local, a rotina diária de volta para casa de milhares de trabalhadores foi quebrada pelo som da “Marofas Grass Band”, que tocava embaixo de uma faixa com a mensagem “Liberdade aos cultivadores: maconha é remédio”.

Quem passou pelo local até 19h percebeu que era um ato organizado pelo movimento antiproibicionista em defesa dos cultivadores e das demais vítimas da guerra às drogas. O panfleto distribuído pelos ativistas falava das recentes prisões de pequenos cultivadores da erva e convocava a população para a Marcha da Maconha, no dia 9 de maio (sábado), em Ipanema.

“Este é um esquenta para a Marcha da Maconha, pois avanços estão acontecendo no mundo inteiro, mas no Brasil estamos caminhando para trás. Pessoas sem relação com crimes violentos estão sendo presas injustamente”, declarou o professor e ativista João Menezes. Confira o vídeo da cobertura do Hempadão:

Logo no início, a manifestação recebeu o apoio de parte dos moradores em situação de rua que vivem no entorno da Central do Brasil. Usuários de maconha assumidos, alguns ajudaram na distribuição dos panfletos. Também foi realizada uma “queima de flagrantes”, com a venda de camisas da Marcha do ano passado.