Dossiê revela violações aos direitos dos camelôs no Rio

O Comitê Popular da Copa e das Olimpíadas do Rio e a Plataforma Brasileira de Direitos Humanos, Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais (Plataforma Dhesca), em parceria com o Movimento Unido dos Camelôs (MUCA), realizaram uma missão, em setembro do ano passado, para verificar o cotidiano e as condições de trabalho dos camelôs no Centro da cidade.

O resultado deste iniciativa está no dossiê “Violações ao Direito ao Trabalho e ao Direito à Cidade dos Camelôs do Rio de Janeiro”, lançado na noite da última terça-feira (17). O documento apresenta uma série de relatos de camelôs sobre os problemas enfrentados com o poder público.

As queixas vão desde cadastramento mal realizado até o uso de violência e conduta ilegal pela Guarda Municipal. Os ambulantes também reclamaram que as mercadorias recolhidas pela GM não recebem, em geral, auto de apreensão; e que; ao exigir o documento, muitos são presos por “desacato à autoridade”. O Camelôs registraram, ainda, que sofrem multas abusivas e que alguns deles chegaram a ter as casas invadidas por agentes da guarda.

O dossiê completo está disponível no site do Comitê: http://rio.portalpopulardacopa.org.br/?p=2941