Carnificina no Paraná

greve-paranaNa quarta-feira (29), a Assembleia Legislativa paranaense aprovou, em segunda votação, o Projeto de Lei 252/2015, promovido pelo governador Beto Richa (PSDB).

Este Projeto retira dinheiro (cerca de 8 bilhões de reais) do ParanaPrevidência (fundo previdenciário dos servidores públicos estaduais) para viabilizar o ajuste fiscal patrocinado pelo governador. O objetivo é claro: jogar a conta da crise econômica vivida pelo Estado nas costas dos trabalhadores.

Para aprovar tal medida, Beto Richa não só ignorou a greve dos profissionais da educação e as massivas manifestações que ocorreram ao longo da semana. Ele transformou o entorno da ALEP, durante três dias (segunda, terça e quarta), numa verdadeira praça de guerra.

A Assembleia foi cercada, durante tais dias,  por forte aparato policial (milhares de soldados, vindos de vários batalhões do interior do Estado), impedindo que a população acompanhasse as votações nas galerias da casa. Foi desrespeitada, inclusive, uma decisão judicial (o Tribunal de Justiça acatou uma liminar escrita por um coletivo de advogados que permitia a permanência do funcionalismo público dentro da casa). Pelo visto, Richa aprendeu com Eduardo Paes.

Na madrugada de segunda para terça-feira, a Tropa de Choque atacou os trabalhadores que estavam acampados no pátio da ALEP, com bombas e spray de pimenta. Entretanto, o auge da repressão ocorreu na quarta-feira.

Por conta da repressão, mais de 200 pessoas ficaram feridas, atingidas por bombas e balas de borracha. Oito em estado grave.

Alguns policiais (cerca de 50) se negaram a atirar nos manifestantes. Provavelmente, serão punidos. Numa sociedade séria, deveriam ser condecorados. Beto Richa é que deveria perder seu cargo.

Em discurso no plenário, Renato Cinco condenou a violência policial e destacou que este episódio demonstra mais uma vez, para aqueles que não viveram a era FHC e para os que têm memória curta, que a oposição de direita não é uma alternativa.

No governo, o PSDB e seus aliados desferem ataques iguais ou piores do que o PT e a base governista aos direitos dos trabalhadores e da juventude. Por isso, a verdadeira saída é pela esquerda!