Câmara Municipal vai acompanhar o colapso hídrico

hidricoNesta semana, foi criada na Câmara Municipal, por iniciativa do vereador Renato Cinco (PSOL), uma Comissão Especial responsável por acompanhar, estudar e analisar as causas e as consequências do colapso hídrico na cidade do Rio de Janeiro. A Comissão será composta por três membros.

O baixo nível dos reservatórios da região Sudeste deixa claro que o Brasil não está livre de problemas de abastecimento. Os brasileiros, em especial as indústrias e o agronegócio, acostumaram-se a gastar água sem pensar no amanhã. No estado do Rio, o desperdício é de 40% de toda água tratada.

Neste contexto, o poder público tem a obrigação de buscar soluções, através de parcerias com instituições e especialistas, para minimizar os impactos desta crise, que já afeta a qualidade de vida dos cidadãos.

Entendemos que não se trata de uma crise passageira, mas do esgotamento de um modelo de desenvolvimento, que vem destruindo a natureza. Responsável por menos de 10% do consumo de água potável, o cidadão não pode sofrer da mesma forma que o agronegócio (que utiliza mais de 70% da água potável disponível) e a indústria (que consome 20% da nossa água).

Em março deste ano, os mandatos do vereador Renato Cinco e do deputado estadual Flavio Serafini, ambos do PSOL, promoveram o debate “Colapso Hídrico e o Ecossocialismo”. Participaram da mesa Alexandre Araújo (físico do clima e professor da Universidade Estadual do Ceará), Alexandre Pessoa (Pesquisador da Fiocruz), Carlos Vainer (professor do IPPUR-UFRJ) e Flávia Braga (professora da UFRRJ).