PM tenta censurar show da ConeCrew Diretoria

5No último final de semana, a Polícia Militar do Rio de Janeiro deu um péssimo exemplo de desrespeito à liberdade de expressão e manifestação. No domingo (07), a apresentação da ConeCrew Diretoria, em Paty do Alferes, terminou com a presença de PMs no palco, acusando os músicos de apologia às drogas. A maior parte da banda conseguiu entrar no ônibus, mas o Mc Cert acabou detido.

A ConeCrew é famosa por fazer a defesa da legalização da maconha nas músicas e discursos durante os shows. Vale lembrar que, em 2011, o Supremo Tribunal Federal julgou que a defesa da legalização de qualquer droga deve ser entendida como livre manifestação. Essa decisão garantiu, por exemplo, o fim de decisões da justiça estadual proibindo a Marcha da Maconha.

“Pretendo falar o que quiser sempre, sem sofrer nenhum tipo de represália por isso. Deve existir a liberdade de expressão justamente para abrir um debate sobre o tema, até porque tem muita gente morrendo por essa falta de debate,” defendeu Mc Cert, em entrevista ao jornal “Extra”.

A cidade de Barra do Piraí é vizinha de Miguel Pereira, onde o mesmo Mc Cert foi preso, acusado de tráfico de drogas, no início deste ano. Cert passou pouco mais um mês preso por cultivar apenas quatro pés de maconha em casa. Na decisão, o juiz declarou que não havia nada que provasse que a droga encontrada com o rapper seria usada para o comércio ilegal.

Infelizmente, o desrespeito a uma decisão da Corte Suprema da justiça brasileira não é uma novidade. No estado de São Paulo, alguns delegados estão enquadrando no crime de apologia jovens que usam roupas estampadas com a folha de maconha. Também em São Paulo os cartuns da campanha “Da proibição nasce o tráfico” tiveram a veiculação proibida nos ônibus.