Eduardo Paes e Rodrigo Bethlem: parceiros ou inimigos?

3Acusado de corrupção na prefeitura do Rio, o ex-secretário Rodrigo Bethlem resolveu atacar seu antigo aliado político, o prefeito Eduardo Paes. De outro lado, Paes acusa Bethlem de traição e afirma que não sabia das irregularidades na gestão de seu ex-secretário.

Entretanto, as suspeitas de fraudes e corrupção nas secretárias comandadas por Bethlem não são novidades.  A primeira iniciativa do nosso mandato (em fevereiro de 2013) foi um pedido de CPI para investigar justamente contratos suspeitos da secretaria de assistência social (pasta que era comandada por Bethlem) e a política de internação compulsória de moradores em situação de rua. Infelizmente, o pedido de CPI não conseguiu o número de assinaturas necessárias, já que bancada governista fez de tudo para barrá-la.

Na última semana, com o surgimento de novas denuncias, a bancada de vereadores do PSOL na Câmara Municipal divulgou uma nota apresentando as iniciativas que serão tomadas pelo partido. Leia o texto:

NOTA DA BANCADA DO PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE – PSOL NA C MARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

Nesta semana, a Revista Época apresentou novas denúncias de desvio de dinheiro público cometido pelo ex-deputado federal Rodrigo Bethlem (PMDB).

Em agosto de 2014, quando o caso veio à tona, oito vereadores da Oposição propuseram a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI para investigar as ações de Bethlem no período em que chefiou as secretarias municipais de Ordem Pública, de Assistência Social e de Governo. Na ocasião, a bancada do PSOL também provocou o Ministério Público para que investigasse as gestões do então secretário de Eduardo Paes.

O pedido para a instauração da CPI obteve apenas 11 das 17 assinaturas necessárias para o início das investigações, uma vez que a bancada governista fez de tudo para barrá-la – o que sempre pôs em xeque a sinceridade da “indignação” do prefeito.

Diante da confirmação, neste momento, da existência das contas bancárias irregulares no exterior, em nome do presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, vereador Jorge Felippe (PMDB), e do auto-incriminado ex-secretário Rodrigo Bethlem, a bancada dos vereadores do PSOL adotará, inicialmente, as seguintes providências:

1 – Oficiar à Mesa Diretora da CMRJ, solicitando a convocação de uma reunião com o Líder do Governo e o conjunto de vereadores da Casa para discutir os reflexos políticos e administrativos de tais denúncias sobre o Legislativo carioca;

2 – Oficiar ao Tribunal de Contas do Município – TCM, solicitando a publicação do relatório divulgado pela imprensa acerca das irregularidades encontradas nos contratos firmados pelo ex-secretário quando ocupou diversos cargos de confiança na administração municipal;

3 – Oficiar à Prefeitura do Rio de Janeiro para que explique os motivos do fracasso da sindicância promovida no segundo semestre de 2014, concluindo que não havia indícios de desvios nos contratos firmados pelo ex-secretário de Assistência Social, Rodrigo Bethlem, bem como esclareça as informações que vem veiculando na imprensa sobre medidas judiciais encaminhadas contra o ex-secretário, já que em buscas realizadas nos cadastros do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro não foram encontrados quaisquer registros nesse sentido.

4 – Representação ao Ministério Público sobre irregularidades supostamente não sanadas em convênio da Assistência Social celebrado após a saída do ex-secretário Bethlem, indicando que o Governo Eduardo Paes pouco fez ou nada fez de concreto após a revelação do escândalo;

5 – Encaminhar ao TCM pedido de sustação de todos os contratos firmados pela administração municipal com a instituição OBRA DE PROMOÇÃO DOS JOVENS, sucessora da ONG TESLOO.

Rio de Janeiro, 02 de julho de 2015.
Vereadores PAULO PINHEIRO, RENATO CINCO e BABÁ