Carioca de alma e papel passado

5Na segunda-feira (14), o Espaço Plínio de Arruda Sampaio – gabinete avançado do vereador Renato Cinco na Lapa – transbordou de gente e de emoção. E não poderia ser diferente. A  homenagem ao professor Tarcísio Motta, que recebeu o título de “Cidadão Honorário do Município do Rio de Janeiro”, reuniu dezenas de pessoas: amigos da folia, companheiros de militância, colegas de faculdade e familiares.

Nascido em Petrópolis, Tarcísio Motta de Carvalho é mestre e doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e leciona no Colégio Pedro II. Iniciou sua vida política como militante na Pastoral da Juventude. Depois, atuou por muito tempo no Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (SEPE).

Fundador do PSOL, Tarcísio foi candidato a Governador do Estado do Rio de Janeiro pelo partido em 2014. Mesmo com poucos segundos de exposição na televisão e limitados recursos materiais, obteve mais de 700 mil votos.

“Por que raios os parlamentares de esquerda se utilizam desse instrumento tão burguês de entregar medalhas, títulos e etc.? Primeiro, eu percebi o seguinte: os homenageados ficam sempre felizes. E isso já é um motivo justo. Fazer um companheiro ou uma companheira nossa, que dedica a sua vida à luta, à militância e à transformação da realidade feliz já é um bom motivo pra gente fazer a homenagem.

Depois eu percebi o seguinte: não é só o homenageado que fica feliz. Fica todo mundo feliz! É um momento de confraternização.

E depois fui chegando à conclusão que é a seguinte: tem a dimensão política nessas homenagens. Fazer as homenagens, entregar as medalhas e os títulos, é fazer a disputa política e ideológica pela hegemonia da sociedade. Então, quando a gente homenageia uma pessoa como o Tarcísio, a gente não está apenas homenageando o Tarcísio. A gente está, mais uma vez, usando o Tarcísio como um instrumento pra fazer a luta política e o debate com a sociedade”, declarou Cinco ao final da homenagem.

A comenda foi uma iniciativa da bancada de vereadores do PSOL. Antes da homenagem, foi realizado o debate “Educação pública: crise e resistências”, com Tarcísio e Renato Cinco.