#PrimaveraDasMulheres: as feministas estão chegando!

Quinze dias após o primeiro ato “Mulheres contra Cunha”, as ruas do centro do Rio foram ocupadas mais uma vez por uma onda lilás. Cerca de 5 mil mulheres caminharam da ALERJ até a Cinelândia, com um pausa para intervenções em frente ao escritório de Eduardo Cunha, na altura do Largo da Carioca, gritando em uníssono que não aceitarão que o Estado as violente e interfira nas suas escolhas.

Assim como na manifestação do dia 28 de outubro, as pautas norteadoras foram a rejeição ao PL 5069 – de autoria de Eduardo Cunha e em tramitação na Câmara dos Deputados -, a defesa da legalização do aborto e o pedido de “Fora Cunha”. Além desses três motes, o protesto serviu ainda como um repúdio a Pedro Paulo – deputado federal licenciado, Secretário Executivo de Coordenação de Eduardo Paes e pré-candidato do PMDB à prefeitura do Rio – por conta das denúncias de agressão à sua ex-mulher, Alexandra Marcondes.

Dando destaque ao mês em que se comemora o “Dia da Consciência Negra” e à “Marcha das Mulheres Negras”, que acontecerá em Brasília, no dia 18 de novembro, a faixa de abertura da manifestação foi conduzida apenas por mulheres negras. Além das companheiras negras, outro grupo que chamou atenção foi o de mães com seus filhos, que marcaram presença em peso e carregavam adesivos com os dizeres “ser mãe é uma escolha”.

As passeatas não pararão. Já há uma marcada para o 25 de novembro, data em que se comemora o “Dia de Combate à Violência Contra a Mulher”. Uma reunião já está marcada para a próxima segunda-feira (16), às 18h, no Sindisprev (Rua Joaquim Silva, 98A, Lapa), para pensar a organização da atividade.

O vereador Renato Cinco esteve presente no protesto, expressando seu apoio às reivindicações das mulheres.