PEU das Vargens pode incentivar a especulação imobiliária

33Na última terça-feira (31), a Câmara Municipal realizou uma audiência pública para debater o PEU das Vargens. O projeto propõe alterações nas regras de desenvolvimento urbano e preservação natural nos bairros Vargem Grande, Vargem Pequena, Camorim, parte do Recreio, além de um pequeno trecho da Barra e de Jacarepaguá. Esta região representa 23,99% do território do município.

O PEU das Vargens repete o modelo adotado na região portuária – com o projeto Porto Maravilha – através da chamada “Operação Urbana Consorciada”, que transfere para a iniciativa privada a administração do território da cidade.

Em discurso, o vereador Renato Cinco alertou para a ameaça do PEU resultar na transformação da região em uma “nova Barra da Tijuca”. Cinco questionou a necessidade de expansão deste modelo de cidade, já que o crescimento populacional do Rio de Janeiro não demanda tal projeto. Também criticou a “Operação Urbana Consorciada”, e citou os casos de corrupção na adoção deste tipo gestão no projeto Porto Maravilha.

O “estudo” que serviu de base para a elaboração do PEU das Vargens foi feito por um consórcio formado pelas construtoras Odebrecht e Queiroz Galvão, que provavelmente vão disputar e ganhar o direito de administrar esta área. Não custa lembrar que estas empreiteiras estão entre as principais financiadoras de campanhas eleitorais do PMDB.

Veja a íntegra do discurso de Renato Cinco na audiência:

Nosso mandato apoia a mobilização dos moradores das Vargens na elaboração de uma análise crítica sobre o PEU e na construção de um plano popular, que atenda aos interesses desta população.