Governo quer privatizar o uso da água

No final do ano passado, durante o “Seminário Internacional da Comissão Especial sobre o Colapso Hídrico”, o vereador Renato Cinco (PSOL) denunciou a intenção do governo estadual de privatizar o uso da água. Na ocasião, palestrantes do mundo inteiro alertaram para os problemas da privatização dos recursos hídricos.

No evento, o pesquisador da “Corporate Europe Observatory”, Martin Pigeon, além de palestrar sobre a importância da “remunicipalização” da água, entrevistou Renato Cinco.

Cinco chamou a atenção para o risco de privatização da empresa pública de água do Estado do Rio, a CEDAE.

“Partes da rede já foram privatizadas, com um contrato de concessão de 30 anos, assinado em 2012, com uma empresa chamada ‘Foz Águas 5’; esta empresa tem uma parceria com a Odebrecht e a ‘Águas do Brasil’. Um contrato que lida com áreas em desenvolvimento da cidade e inclui 21 bairros da Zona Oeste”, disse.

O vereador  lembrou que muitas áreas da cidade ainda não recebem água tratada e nem mesmo saneamento básico. Cinco também denunciou o desperdício com vazamentos. Oficialmente, a Cedae declara uma taxa de fuga de cerca de 30%, percentual alto e nada confiável.

“Falta transparência. Nossa própria Comissão tem lutado para acessar informações sobre usos da água na cidade. A Cedae diz que cerca de 43% da água utilizada na cidade é para uso industrial, 16% para mineração e agricultura e 41% para os “usos urbanos”. Mas o que são “usos urbanos”? Isto combina os usos domésticos e comerciais? Nós não sabemos, por exemplo, quanto é usado por grandes usuários, como hotéis, e o que é usado para consumo básico doméstico”, afirmou.

A privatização da CEDAE, anunciada pelo governo estadual, é um retrocesso. Leia a entrevista completa em:

http://corporateeurope.org/water/2016/07/brazil-new-government-imposes-rio-water-privatisation-pay-olympic-games