PEC 55 é aprovada no Senado, mas rejeitada nas ruas

3aNa última terça-feira (13), o Senado aprovou, em segunda votação, a PEC 55, que limita os investimentos sociais durante 20 anos, por 53 votos favoráveis e 16 contrários.

No mesmo dia, milhares de trabalhadores e estudantes foram às ruas em diversas cidades do país, em protesto contra a PEC da morte, que foi promulgada pelo Congresso nesta quinta-feira (15). Em Brasília, a tropa de choque da PM impediu o ato de entrar na Esplanada dos Ministérios e reprimiu covardemente os manifestantes com muito spray de pimenta, gás lacrimogêneo e tiros de bala de borracha. Mais de 60 pessoas foram presas arbitrariamente – algumas só foram liberadas na manhã de quarta-feira. Além disso, a polícia ameaçou enquadrar dez militantes na Lei de Segurança Nacional (uma lei da época da ditadura empresarial-militar, promulgada pelo General Figueiredo).

Sobre essa ameaça, Renato Cinco se pronunciou em suas redes sociais: “Ontem os desgraçados aplicaram a Lei de Segurança Nacional contra os manifestantes. Ou derrubamos esse governo ou todas as liberdades democráticas duramente conquistadas estão em risco.”

A PEC do fim do mundo, encaminhada pelo governo ilegítimo de Michel Temer, é rejeitada por milhões de brasileiros. Por isso, os protestos para que Temer renuncie e haja novas eleições gerais se intensificarão.

Conforme mostrou pesquisa do instituto Datafolha, 63% dos brasileiros são a favor de que Temer saia para que haja eleições diretas. Para que isso ocorra, é necessário que o presidente renuncie até o dia 31 de dezembro deste ano. (leia aqui: http://bit.ly/2hJPEla ). Cinco também se pronunciou a favor da saída de Temer: “Se o Temer tivesse um pingo de decência, só um pinguinho, ele renunciava antes de 31 de dezembro permitindo a convocação de novas eleições diretas. Só que ele não tem decência nenhuma e vai ter que ser posto pra fora na marra. Fora Temer!”, disse