Homenagem à Claudia Santiago

No mês marcado pelo “Dia Internacional das Mulheres” nada mais justo do que homenagear companheiras de luta. O nosso mandato já homenageou com a entrega da medalha Chiquinha Gonzaga Luciene Lacerda, uma das articuladoras da Marcha de Mulheres Negras; Paula Inara Melo, doula e militante do movimento de luta pelo parto natural; Sandra Carvalho, militante dos direitos humanos, cofundadora e diretora da Justiça Global; e Eleutéria Amora, coordenadora da Casa da Mulher Trabalhadora (Camtra), entidade que constrói o Fórum Estadual de Combate à Violência Contra a Mulher (FEM).

Em 2017, dedicamos a medalha Chiquinha Gonzaga para Claudia Santiago. Carioca, nascida em 1962, Claudia foi uma destacada jornalista sindical. Nos anos 1990, participou da fundação do Núcleo Piratininga de Comunicação – NPC e se dedicou à elaboração de uma comunicação popular e da classe trabalhadora, mantendo sempre seu compromisso com a luta pela democratização da comunicação. Produziu jornais, revistas, escreveu e editou livros e agendas. Organizou diversos cursos de formação na área de comunicação e contribuiu com a formação de uma legião de comunicadoras e comunicadores populares Brasil a fora.

As discussões sobre gênero estiveram presentes nas atividades do NPC desde muito. O cuidado e a dedicação à pauta das mulheres resultaram, depois de anos de pesquisa, na cartilha “A origem socialista do dia da mulher”, escrita por Claudia e Vito Giannotti. Lançada em 2004 pelo NPC, o documento resgata a trajetória da greve das tecelãs em São Petersburgo, iniciada no dia 8 de março de 1917, que daria origem à Revolução Russa.

Entregar a medalha Chiquinha Gonzaga à Claudia Santiago é reconhecer o seu trabalho na formação e organização das mulheres que atuam em diferentes movimentos, e especialmente daquelas de origens mais humildes e que vivem sob condições mais difíceis, colaborando para transformá-las em sujeitas sociais que falam e dão voz a muitas e muitos outros através da comunicação e da luta. Mais do que isso, é homenagear as mulheres socialistas que fizeram e fazem história.

A homenagem acontecerá no dia 30 de março, às 18h30, no Espaço Plínio, localizado na Rua da Lapa, 107. Durante o evento, vamos saudar a luta feminista e conversar sobre a origem socialista do “Dia Internacional de Luta da Mulher”.

Leia a cartilha “A origem socialista do dia da mulher”, publicada pelo NPC: http://nucleopiratininga.org.br/wp-content/uploads/2013/12/Cartilha-da-Mulher-2016-NPC.pdf