Ditadura nunca mais!

A bancada do PSOL protocolou na última semana um Projeto de Decreto Legislativo que declara como “persona non grata” no Rio o coronel e atual Secretário Municipal de Ordem Pública Paulo César Amêndola de Souza.

Vários documentos e testemunhos comprovam a participação de Amêndola em prisões e torturas realizadas durante a ditadura empresarial-militar, instalada no Brasil entre 1964 e 1985.

Amendola, secretário de Crivella, vem negando descaradamente a participação nesses crimes. No que depender da bancada do PSOL, essas histórias não serão esquecidas.

É inadmissível que um torturador, que sequer reavalia seus atos, participe do Poder Executivo.

Também é inaceitável que os nomes de escolas e outras instituições municipais façam homenagens a torturadores.

Diante disto, a bancada do PSOL deu entrada em um Projeto de Lei que veda batizar bens públicos com nomes de pessoas que constem no relatório final da Comissão Nacional da Verdade.

Outros países, que também enfrentaram períodos ditatoriais, já adotam essa regra, como são os casos da Argentina, da Espanha e da Alemanha.

Nomear prédios, logradouros e escolas com nomes de torturadores, responsáveis por graves violações de direitos humanos, é uma aberração.