Solidariedade à professora Valéria Borges

Nos últimos dias, fomos surpreendidos com mais um ataque conservador dirigido à sala de aula. Valéria Borges, professora da rede estadual de ensino do Rio de Janeiro, foi a vítima da vez do nefasto “Escola Sem Partido”. O projeto número 193/2016 não foi aprovado pelo Congresso Nacional, mas o período de caça às bruxas, em Niterói, foi instaurado pelo vereador Carlos Jordy (PSC).

O autor do “Escola Sem Partido’, na Câmara Municipal de Niterói, divulgou na internet trechos da aula dada pela professora na Escola do Estado Liceu Nilo Peçanha. “Supostamente eu estaria assediando um aluno ao explicar a ação da juventude hitlerista durante a ascensão do nazismo na Alemanha e compará-la ao comportamento de grande parte dos seguidores de uma figura pública, o deputado federal Jair Bolsonaro”, destaca a professora em nota pública em que relata o ataque sofrido.

Do plenário da Câmara Municipal do Rio, o vereador Renato Cinco manifestou solidariedade à professora Valéria e declarou repúdio ao ataque virtual promovido pelo vereador Carlos Jordy. Renato Cinco considerou grave o ataque à professora, “O Partido Social Cristão vem, em todo o país, sendo o porta-voz do Programa Escola Sem Partido. Aliás, deixando muito claro que, na verdade, o que eles querem não é a escola sem partido, é a escola do partido único – onde só possam se expressar aqueles que concordam com o casamento dos viúvos da ditadura militar com o fundamentalismo religioso”, declarou.

Assista a íntegra do discurso: