Projeto que altera cobrança do IPTU é aprovado na Câmara Municipal

Foram mais de sete horas de debates e diversos pedidos de adiamento da votação, mas a base de Marcelo Crivella na Câmara Municipal conseguiu aprovar o projeto que altera os valores do IPTU. O painel de votações fechou com 31 vereadores a favor e 18 contrários. A bancada do PSOL votou contra a iniciativa.

Das 102 emendas apresentadas, apenas 25 foram aprovadas. Infelizmente, todas as emendas apresentadas pelo PSOL foram rejeitadas. Defendemos a diminuição de cobrança para a classe média baixa e para os pobres e o aumento para os ricos. Além disso, propomos a isenção de IPTU para produtos agrícolas e de ITBI para imóveis até 200 mil, se fosse o único do proprietário. Agora, o projeto segue para sanção de Crivella

O governo seguiu a mesma cartilha de troca de favores que Michel Temer utilizou para barrar a denúncia enviada pelo Procurador Geral da República (PGR) à Câmara dos Deputados. Nos bastidores do parlamento carioca foram negociadas nomeações em diversos setores da prefeitura e até a troca de secretários para conquistar o número de votos necessários para aprovar o projeto.

O vereador Renato Cinco fez um discurso alertando que a proposta enviada pelo prefeito aumenta a desigualdade tributária na cobrança do imposto, já que os imóveis com valor venal de até R$ 150 mil podem ter que pagar até 47% a mais de IPTU, enquanto imóveis com valor venal acima de R$ 1 milhão vão pagar 13% a mais de imposto.

“É muito estranho que o prefeito, que foi eleito dizendo que iria cuidar das pessoas, mande uma proposta para esta Casa que claramente vai prejudicar as pessoas que já são as mais prejudicadas em tudo na nossa cidade”, declarou Cinco.

Veja a íntegra do discurso: