Que os ricos paguem o aumento do IPTU

A aprovação do projeto que reajusta os valores do IPTU na cidade do Rio de Janeiro segue gerando polêmica. Na tramitação da proposta, a bancada do PSOL apresentou emendas que buscavam diminuir a injustiça tributária, mas todas foram rejeitadas pela base do governo Crivella. Desta forma, votamos contra o projeto que foi aprovado.

Apresentamos emendas que ampliam os descontos para os trabalhadores (para os mais pobres, descontos de 80% nos imóveis cujo valor do imposto vai até 600 reais; e para a classe média baixa e média, descontos de 10% nos imóveis cujo valor do imposto vai até 2.200 reais).

Outra emenda do PSOL buscava aumentar as alíquotas do imposto dos proprietários de imóveis com valor de mercado acima de 4 milhões de reais. Além disso, apresentamos uma emenda que garante a isenção de IPTU para imóveis com atividades agrícolas e outra que isenta do pagamento de ITBI os imóveis de até R$ 200 mil, caso seja o único imóvel do adquirente.

O vereador Renato Cinco lamentou, em discurso no plenário da Câmara, que o projeto aprovado pela maioria dos vereadores não resolve os problemas decorrentes da injustiça tributária na cobrança do IPTU.

“Defendemos a justiça tributária, com uma ampla progressividade nos valores dos impostos e uma sociedade mais igualitária, com serviços públicos de qualidade para todos. Por isso, apesar de acharmos o IPTU um imposto muito importante, votamos contra a proposta da Prefeitura, idealizada apenas para aumentar a sua arrecadação, o que seria justo se os aumentos fossem maiores sobre os imóveis mais valorizados”, declarou Cinco.

Veja a íntegra do discurso: