Natureza ameaçada: debater o ecossocialismo é urgente

Está cada vez mais evidente que as mudanças climáticas são decorrentes do desenvolvimento predatório do capitalismo e afetam a vida de milhões de pessoas em todo planeta. Por isso, o nosso mandato – que adota uma perspectiva ecossocialista e libertária – insiste em trazer o debate sobre o meio ambiente à tribuna.

Na última quarta-feira (13), o vereador Renato Cinco apresentou, no plenário da Câmara Municipal, o vídeo “O que está realmente aquecendo a Terra”, produzido pela blog “O Que Você Faria se Soubesse o Que Eu Sei?”, que explica como as catástrofes recentes não podem ser justificadas apenas por causas naturais e estão relacionadas com fatores como desmatamento e emissão de gases do efeito estufa. Confira:

No discurso, Cinco lembrou que a luta ecossocialista aponta duas autocríticas. Uma ao campo socialista que durante século XX não conseguiu expressar uma alternativa ao modelo capitalista de exploração do meio ambiente. Outra aos ambientalistas que precisam reconhecer que o capitalismo é incompatível com uma estratégia planetária de enfrentamento ao colapso ambiental.

“A economia capitalista pressupõe um crescimento infinito e o nosso planeta não pode crescer infinitamente. O sistema capitalista pressupõe a destruição permanente das mercadorias para ser substituídas por outras mercadorias. O que é incompatível com o caráter finito dos recursos naturais e ambientais”, destacou Cinco.

Veja a íntegra do discurso:

MARCHA POPULAR DO CLIMA

No dia 12 de novembro, vai acontecer no Rio de Janeiro a Marcha Popular do Clima e, entre outras questões, queremos mostrar como as consequências das mudanças climáticas já estão atingindo as vidas das populações do planeta. É fundamental lutarmos para combater as mudanças climáticas, combatendo também o racismo e a injustiça ambiental.