Ameaças aos direitos democráticos

Na última sexta-feira (15), o General do Exército Antônio Mourão defendeu a necessidade de uma intervenção militar no caso da justiça não realizar a contento um afastamento de políticos acusados de corrupção.

Apesar da repercussão negativa, a declaração não foi desautorizada pelas autoridades. Para piorar, na terça-feira (19), o Comandante do Exército, General Eduardo Villas Bôas, na tentativa de esclarecer o discurso do colega, afirmou que as Forças Armadas teriam “mandato” de intervir para garantir a lei e a ordem, por iniciativa de um dos poderes ou por decisão própria, na “iminência de um caos”.

Em discurso no plenário, o vereador Renato Cinco denunciou a ameaça aos direitos democráticos.

“Este mandato não existe. As Forças Armadas não têm qualquer prerrogativa de analisar ou julgar a situação nacional, em nome de qualquer princípio constitucional”, afirmou.

Veja a íntegra do discurso:

As Forças Armadas nunca assumiram a responsabilidade pelas violações de direitos humanos ocorridas de 1964 a 1985.