Prefeito corta auxílio-transporte de professores

Os profissionais de educação do município do Rio foram pegos de surpresa nesta quinta-feira (28), quando viram o contracheque. Valendo-se de um decreto de 1993, a Secretaria de Educação suspendeu o pagamento do auxílio-transporte dos profissionais que ganham mais do que quatro salários mínimos. O corte teve o aval do prefeito Marcelo Crivella (PRB).

Em discurso no plenário, o vereador Renato Cinco denunciou a medida. “É um verdadeiro absurdo que a prefeitura busque no auxílio-transporte dos profissionais de educação a saída para a crise financeira da cidade”, declarou.

Veja a íntegra do discurso:

O parlamentar apresentou um Requerimento de Informações à Secretaria Municipal de Educação e ao gabinete do prefeito, questionando:

1. Qual a justificativa de tal corte?
2. Qual a estimativa do número de profissionais atingidos pela medida?
3. Tal medida será extensiva a todo o quadro de funcionários do município ou somente aos profissionais da educação?

A decisão da prefeitura foi tomada sem qualquer debate com a categoria e deve atingir a maioria dos profissionais. O auxílio era concedido desde 1998.

Projetos que ampliam a participação da comunidade escolar

Nosso mandato apresentou nesta semana dois Projetos de Lei que visam garantir a participação da comunidade escolar nas decisões sobre o fechamento ou a transferência de turmas, segmentos e escolas da rede municipal de educação.

Defendemos que profissionais, alunos e responsáveis devem opinar em questões que afetam diretamente o percurso pedagógico.