Outros outubros virão: centenário da Revolução Russa

Há 100 anos, um evento “abalou o mundo” e redefiniu o curso do século XX. A Revolução Russa, primeira vitória socialista da história, mostrou que o poder popular é possível.

Com ousadia, as mulheres disseram não à miséria e às péssimas condições de trabalho que enfrentavam, pararam as máquinas e foram às ruas por pão, paz e terra. A greve de mulheres tecelãs de Petrogrado, em 23 de fevereiro de 1917 (Dia Internacional das Mulheres, 8 de Março no calendário juliano), deu início à insurreição popular que derrubou o czarismo e fez vermelhar o outubro russo (novembro em nosso calendário).

“É evidente pois que a Revolução de Fevereiro foi iniciada pelos elementos de base, que ultrapassaram a resistência de suas próprias organizações revolucionárias, e que esta iniciativa foi espontaneamente tomada pela camada proletária mais explorada e oprimida que as demais – as operárias da indústria têxtil, entre as quais, deve-se supor, estavam incluídas numerosas mulheres casadas com soldados. O Dia da Mulher foi bem sucedido, cheio de entusiasmo e sem vítimas. Anoitecera e nada revelava ainda o que esse dia trazia em suas entranhas. No dia seguinte, o movimento, longe de se apaziguar, dobrou em intensidade” (Trótsky em “A História da Revolução Russa”, 1977).

CELEBRAR

Para celebrar o centenário da Revolução de Outubro, o Mandato Ecossocialista e Libertário de Renato Cinco (PSOL) preparou uma série de atividades. Começamos a semana com um bom debate na Câmara Municipal sobre a revolução 100 anos depois, do qual participaram o historiador e militante do MAIS Valério Arcary, as militantes feministas Liliana Maiques e Rejane Hoeveler (que integra a Nova Organização Socialista) e Luis Fernando Lobo, diretor da peça “10 dias que abalaram o mundo” (uma produção da Companhia Ensaio Aberto), que teve sua primeira temporada em outubro, e Chico Alencar (deputado federal).

Na terça-feira (07), dia em que é celebrado o centenário da Revolução Russa, em discurso no plenário da Câmara Municipal, o vereador Renato Cinco destacou a importância desta histórica mobilização popular.

“Eu quero celebrar em primeiro lugar a luta do povo russo por liberdade, dignidade e contra um estado de coisas que era absolutamente insuportável. Em segundo lugar, eu quero celebrar o fato de que essa revolução permitiu experimentar, pela primeira vez na história, um Estado que tentou superar a barbárie do capitalismo”, lembrou.

Veja a íntegra do discurso:

Centenário da Revolução Russa

Nesta terça-feira (07), é celebrado o centenário da Revolução Russa. Em discurso no plenário da Câmara Municipal, o vereador Renato Cinco destacou a importância desta histórica mobilização popular e analisou as contradições do regime socialista soviético.Celebrar o centenário da revolução que inspirou lutadoras e lutadores de todo o mundo significa manter viva a esperança em um amanhã melhor. Se hoje o sistema capitalista segue seu curso cruel, retirando direitos e esmagando a classe trabalhadora, mais do que nunca é preciso apostar na resistência popular.#EquipeCinco

Publicado por Renato Cinco em Terça-feira, 7 de novembro de 2017

Celebrar o centenário da revolução que inspirou lutadoras e lutadores de todo o mundo significa manter viva a esperança em um amanhã melhor. Se hoje o sistema capitalista segue seu curso cruel, retirando direitos e esmagando a classe trabalhadora, mais do que nunca é preciso apostar na resistência popular.

Com esperanças nas lutas do tempo presente e para lembrar da importância dos que contribuem para as formulações de esquerda, entregamos a Medalha Pedro Ernesto ao professor e militante comunista José Paulo Netto. A homenagem lotou o auditório Pedro Calmon da UFRJ e foi um momento de reencontro de gerações de lutadoras e lutadores.

Sigamos em luta e “façamos nós – por nossas mãos – tudo o que a nós diz respeito”.

#100AnosRevoluçãoRussa