Lançamento do livro “Quebrando as grades: liberdade incondicional”

No dia 29 de novembro (quarta-feira), acontecerá o lançamento do livro “Quebrando as grades: liberdade incondicional”, organizado por Givanildo M. da Silva, o “Giva”. A atividade será realizada, às 18h, no Espaço Plínio (Rua da Lapa, 107).

A mesa da atividade será formada por:

– Laíze Gabriela Benevides (Advogada Popular e Doutoranda em Direito pela UFRJ)

– Givanildo M. Da Silva “Giva” (organizador do livro e militante do Movimento Popular e de Direitos Humanos)

– Renato Cinco (vereador PSOL-RJ)

Sobre o livro:

“Quebrando as grades: liberdade incondicional” é, antes de um título, um grito de resistência de muitas e muitos lutadores singulares e de diversos coletivos que contribuíram, de maneira consistente e mui grandiosa, para a construção do presente livro. A partir de diferentes abordagens, mas assentados numa mesma perspectiva radical de compreensão das funções reais da prisão no capitalismo, os autores nos convocam a iluminarmos as masmorras de nossa realidade brasileira, para, assim, buscarmos superá-las.

As formas de prender e encarcerar nos expressam, na atualidade brasileira, o encarniçamento da conflitiva de classes e das mazelas produzidas pelo modo de produção capitalista, em sua característica rentista, periférica e que viceja em territórios atravessados pelo imperialismo, demarcados pelo etnocídio indígena, extermínio do povo negro e perpetuação do racismo, com lastros na subordinação colonial. Estes são alguns elementos dispostos no decorrer dos capítulos e que estão compondo o cenário contemporâneo, que cada mais tem se assemelhado a uma dramaturgia do teatro do absurdo.

A disseminação de um “senso comum penal” tem se tornado substrato importante para a constituição de autorização social, com aderências no plano subjetivo, para que o projeto do encarceramento em massa se coloque como a resposta social para as situações vivenciadas cotidianamente. Assim como retratou Ionesco em sua peça “Os Rinocerontes”, percebemos um movimento como de contágio, em que, cada vez mais, sujeitos desumanizados e animalizados tornam-se a paisagem comum de uma sociedade brutalizada, bramindo por mais punição e por penas mais duras.”

Adriana Eiko

Evento no facebook