COP 23 não avança para evitar mudanças climáticas

A Alemanha recebeu, na primeira quinzena de novembro, a 23ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 23). O objetivo principal do encontro, que reuniu representantes de diversos países, era avançar na implementação do Acordo de Paris, bem como formular diretrizes que garantam tal implementação.

O Acordo foi firmado na COP 21, sediada em Paris, e contou com a adesão dos 195 países integrantes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC, na sigla em inglês) ao compromisso de reduzir emissões de gases de efeito estufa – para, assim, limitar o aumento da temperatura média global a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

Porém, a COP 23 terminou mais uma vez sem propostas significativas para conter os danos do aquecimento global e as mudanças climáticas.

Felizmente, a posição dos Estados Unidos de abandonar o Acordo de Paris ficou isolada, inclusive com o repúdio de parte da delegação americana. A decisão do governo brasileiro de criar subsídios para a indústria do petróleo também foi repudiada na Conferência.

“A COP 23 termina com os ambientalistas, mais uma vez, denunciando que, mesmo que os compromissos internacionais firmados no Acordo de Paris sejam cumpridos, nós teremos que enfrentar o colapso ambiental do nosso planeta. Precisamos avançar além disso. Infelizmente, estamos discutindo se vamos conseguir ou não cumprir o Acordo, que é considerado pelo meio acadêmico como absolutamente insuficiente”, afirmou Renato Cinco em discurso no plenário na última terça-feira.

Veja aqui o discurso na íntegra: