Golpe do governo na Câmara

O prefeito Marcelo Crivella aproveitou o “apagar das luzes” e enviou para a Câmara Municipal um pacotão de projetos polêmicos.

Entre as maldades estão o Código de Obras, que inclui a autorização de apartamentos de 10 metros quadrados, sem separação entre quarto e banheiro; parceria público-privada para iluminação pública; taxação dos aposentados; empréstimos de 100 milhões de reais para a área de turismo, que podem ser utilizados no pagamento de juros da dívida; e o Plano Municipal de Educação, que não foi debatido nas escolas.

Como se não bastasse, na quinta-feira (07) o líder do governo, Paulo Messina, anunciou que proporia um Projeto de Resolução alterando o regimento interno, com o intuito de impedir o pedido de vistas nos processos apresentados em reuniões conjuntas das comissões.

Em discurso, o vereador Renato Cinco denunciou a tentativa de golpe:

I

Hoje, o pedido de vistas garante dez dias de avaliação para o vereador que o requisitar.