Marielle vive, intervenção não!

Após quase dois meses de intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, seus objetivos e resultados permanecem distantes das promessas de combater a violência.

Em discurso no plenário, o vereador Renato Cinco lembrou que a intervenção nasceu condenada ao fracasso por não servir para atacar os problemas estruturais, como a sangrenta política de “guerra às drogas”. “O aplicativo Fogo Cruzado, que monitora tiroteios que ocorrem no Rio, divulgou os dados de março de 2018, mês em que o nosso estado esteve sob intervenção: foram registradas 463 ocorrências de tiroteio na capital. São mais de 15 tiroteios por dia”, afirmou.

Para Renato, o Estado do Rio precisa de outra política. “As causas da violência no nosso país são estruturais, a gente não vai resolver o problema de criminalidade com a polícia. Mas, com a mudança da qualidade de vida do povo”, defendeu.

Veja a íntegra do discurso:

Amanhecer por Marielle e Anderson

O PSOL acaba de receber a notícia de que mais um de seus militantes foi assassinado na Bahia. Antonio Carlos Silva Almeida (Kakau), 39 anos, foi candidato a prefeito da Cidade de Capim Grosso em 2012. “Ainda não sabemos quem mandou matar a Marielle e já temos mais um militante de nosso partido assassinado”, lamentou o vereador.

Confira:

Cinco também aproveitou a oportunidade para lembrar que neste sábado, em diversos pontos do Rio e de outras cidades, acontecerá o “Amanhecer por Marielle e Anderson”.

Acesse o site e saiba mais sobre a manifestação:

Além disso, convocou a população para participar da “Marcha e Tambores por Marielle e Anderson: 1 mês de luta”, que ocorrerá no mesmo dia, às 17h, com concentração nos Arcos da Lapa.

Evento no facebook