Não à taxação previdenciária de aposentados e pensionistas

Na tarde desta quarta-feira (20), a Câmara Municipal iniciou a votação do projeto de taxação dos servidores inativos da prefeitura do Rio. 28 dos 51 vereadores votaram a favor do PLC 59/2018 e aprovaram, em primeira discussão, a taxação previdenciária de aposentados, aposentadas e pensionistas do município do Rio. 20 vereadores votaram contra e 3 não compareceram. A bancada do PSOL votou contra e trabalhou para que a proposta não fosse discutida, solicitando o adiamento por cinco sessões, mas as nossas emendas foram rejeitadas. O governo precisava de 26 votos e só conseguiu 28, uma votação extremamente apertada.

Ao debater a proposta, o vereador Renato Cinco apresentou uma análise dos ataques da elite política e econômica contra os direitos dos trabalhadores, como as reformas trabalhista e da previdência.”Querem exigir sacrifícios de um dos povos mais sacrificados do planeta e este projeto de taxação dos inativos é mais um exemplo disto”, questionou.

Para que passe a valer, o Projeto precisa passar por uma 2ª votação, que pode acontecer a partir da próxima terça-feira (26). Durante discurso no plenário, Renato Cinco criticou o projeto que arranca direitos previdenciários e manteve sua aposta na mobilização da categoria, que esteve em peso na Câmara para protestar contra a proposta de Crivella. “Vocês são 170 mil servidores da Cidade do Rio de Janeiro. Hoje vocês podem sofrer uma derrota e esse projeto ser aprovado em primeira discussão, mas ele também precisará passar por uma segunda votação. Aí, a tarefa de cada um de vocês é voltar, com mais dez, mais vinte, para barrar essa proposta”, lembrou.

Confira a íntegra:

Não a taxação dos servidores aposentados!

Na tarde desta quarta-feira (20), a Câmara Municipal iniciou a votação do projeto de taxação dos servidores inativos da prefeitura do Rio. Ao debater a proposta, o vereador Renato Cinco apresentou uma análise dos ataques da elite política e econômica contra os direitos dos trabalhadores, como as reformas trabalhista e da previdência. "Querem exigir sacrifícios de um dos povos mais sacrificados do planeta e este projeto de taxação dos inativos é mais um exemplo disto", declarou Cinco. Renato pediu o adiamento da discussão do projeto por cinco sessões, mas a proposta foi rejeitada pela maioria dos parlamentares.#EquipeCinco

Publicado por Renato Cinco em Quarta-feira, 20 de junho de 2018