Quantos mais terão de morrer?

Há 120 dias, a execução da vereadora Marielle Franco e de Anderson Gomes, seu motorista, chocou o Rio de Janeiro. Única mulher negra na atual legislatura da Câmara Municipal, Marielle era firme na defesa de suas ideias e companheira dos movimentos sociais, especialmente das organizações de moradores de favelas. O assassinato fez sangrar a cidade inteira, que continua a perguntar: quem mandou matar?

Infelizmente, a política de extermínio continua a fazer novas vítimas diariamente nas periferias cariocas. Jovens são executados e pessoas inocentes vivem sob constante ameaça a cada operação policial. Marcos Vinicius da Silva, 14 anos, foi uma das vidas arrancadas pela sangrenta “guerra às drogas”, que longe de combater o tráfico, apenas segue criminalizando os pobres e estabelecendo como política de segurança do Estado o genocídio.

A indignação diante do silêncio após 4 meses da execução de nossa companheira e as violações dos direitos humanos, sobretudo de pessoas pretas e faveladas, ganhou as ruas do Rio novamente nesta quinta-feira. “Quantos mais teremos que perder pra essa guerra acabar?” foi o grito ecoado por quem luta por justiça para Marielle e Anderson, por justiça pra Marcos Vinícius e todas as vítimas da guerra aos pobres no Rio de Janeiro.