Salvem as águas!

Dia 21 de março é o Dia Internacional das Florestas e no 22, comemora-se o Dia Mundial da Água. Apesar das datas celebrativas, não temos nada a comemorar. Muito pouco foi feito por parte dos governos.

Os crimes ambientais que destroem as florestas e os recursos hídricos se tornam mais frequentes, como os que aconteceram em Mariana e Brumadinho, tornando o colapso ambiental cada vez mais próximo.

O Rio de Janeiro está longe de estar seguro. A Companhia Siderúrgica Nacional possui uma montanha de resíduos ao lado do Rio Paraíba do Sul. Se ela colapsar milhões de moradores da nossa cidade e do interior do Estado ficarão sem água, o que certamente promoverá o caos generalizado.

O vereador Renato Cinco (PSOL) usou a tribuna da Câmara para alertar sobre os riscos e a necessidade de se preservar esse bem tão precioso.

Renato Cinco é vice-presidente a Comissão de Meio Ambiente da Câmara. Neste ano, ele já apresentou Requerimento para instalação de Comissão para tratar dos riscos hidrológicos e de crimes ambientais que possam acontecer na cidade.

O vereador também lembrou a visita que fez no último final de semana às margens do Rio Cabuçu-Piraquê, em Pedra de Guaratiba.

“Fui chamado por pescadores e constatei que está ocorrendo um derramamento volumoso de óleo no rio, que está matando peixes, caranguejos e outros animais. A poluição estende-se por parte da Baía de Sepetiba, cobrindo berçários da vida marinha. Os pescadores estão desesperados. Suspeita-se que a fonte poluidora seja a Fábrica da Michelin, em Campo Grande.”

O mandato enviou notificação à prefeitura e ao INEA e prepara representação ao ministério público para que investigue o desastre.

Renato Cinco lembrou ainda que a prefeitura está em estágio avançado de negociação para a construção do “novo autódromo”.

“O prefeito pretende construir um autódromo no último remanescente floresta ombrófila de baixada na Zona Norte carioca, a Floresta do Camboatá, faz parte do corredor ecológico estratégico para Mata Atlântica, um dos biomas mais ameaçados do Planeta.”

Na tentativa de barrar esse absurdo, o mandato Renato Cinco apresentou o PL 632/2017, que cria a APA, Área de Proteção Ambiental, na Floresta do Camboatá.

São muitas as lutas, mas para dizer não falamos de vitórias, nesta semana o mandato aprovou o projeto que “determina o provimento prioritário de água e saneamento em áreas populares.”. Leia na matéria seguinte.