Marcha da Maconha na luta contra o abate nas favelas

A Marcha da Maconha do Rio de Janeiro mobilizou mais de 10 mil pessoas no último sábado (4), marcando posição contra a dita “guerra às drogas”.

O slogan deste ano, “Contra o abate nas favelas, legaliza, com o Supremo, com tudo”, é uma resposta à ofensiva sanguinária que governador Wilson Witzel promove nas periferias do Rio de Janeiro.

A Marcha da Maconha do Rio também contou a participação do bloco de carnaval Planta na Mente, agitando o ato com marchinhas em defesa da legalização da maconha e de uma cultura de paz. Nosso mandato esteve presente e fez o lançamento de uma cartilha crítica ao modelo manicomial de assistência ao uso problemático de drogas.

Vivemos um momento crítico para a política de drogas. Com o início do governo Bolsonaro ganharam força as terapias fundamentadas na lógica do manicômio. Em março deste ano, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, assinou 216 novos contratos com Comunidades Terapêuticas (CTs), que em grande parte são geridas por igrejas e realizam tratamentos com viés religioso.

Presente na Marcha, Renato Cinco destacou que a política de drogas do governo Bolsonaro é um retrocesso.”Querem estabelecer a internação compulsória de usuários de drogas e o financiamento milionário de Comunidades Terapêuticas”, declarou Cinco.

Veja o discurso do vereador Renato Cinco na Marcha da Maconha de 2019:

Confira o mapa com as Marchas da Maconha que estão marcadas para outras cidades do Brasil: