Floresta do Camboatá: a luta continua!

Na tarde da última quinta-feira (23) seria votado o projeto do nosso mandato, em parceria com o vereador Célio Lupparelli, que cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Floresta do Camboatá. Infelizmente a proposta recebeu uma emenda e saiu da pauta de votações.

O vereador Renato Cinco lamentou a apresentação da emenda pelo líder do governo Crivella, um nítido movimento para adiar a votação do projeto. “Dizer que o autódromo vai promover benefícios para a região é o mesmo papo furado da promessa de legado da Copa e das Olimpíadas. Quem ganha com a destruição desta floresta?”, questionou Cinco. Confira o discurso:

Localizada em Deodoro, a Floresta do Camboatá é um raro remanescente de Mata Atlântica em área plana na cidade do Rio. Apesar da importância ambiental desta floresta, a Prefeitura do Rio escolheu o local para construir o novo autódromo da cidade.

A área da floresta é de 201 hectares, sendo 169 cobertos por vegetação. A insistência na construção do autódromo neste local pode resultar na derrubada de 180 mil das 200 mil árvores que existem no Camboatá.

No início desta semana, o Ministério Público Federal pediu a suspensão do processo de licitação para a construção do autódromo. Mesmo assim, a prefeitura seguiu adiante e apresentou a empresa escolhida para realizar a obra: o consórcio Rio Motorsports.

A prefeitura do Rio, através de sua assessoria de imprensa, disse que o momento de solicitar as autorizações ambientais está programado para depois da oficialização da escolha da empresa e antes de o contrato final ser assinado.

Nosso mandato segue na luta pela preservação da Floresta do Camboatá. A luta continua.