Parque Realengo 100% Verde

Está em debate na Câmara o projeto de lei complementar 32/2017, de autoria do poder executivo, que visa transformar a antiga Fábrica de Cartuchos, em Realengo, em uma área residencial. O projeto anuncia um empreendimento que respeita a flora e a fauna e resgata o valor histórico e cultural da região. Tudo dentro dos conformes, não fosse mentira da prefeitura. O que está por trás do projeto é a liberação para o aumento de gabarito.

O projeto anuncia um empreendimento que respeita a flora e a fauna e resgata o valor histórico cultural da região. Tudo dentro dos conformes, não fosse mentira da prefeitura. O que está por trás do projeto é a liberação para o aumento de gabarito. Na verdade, o que a prefeitura quer é mais uma vez favorecer a especulação imobiliária. “A contrapartida proposta neste PLC visa a permitir aumento do gabarito em três pavimentos”, diz um dos trechos da proposta do Poder Executivo.

Só que o prefeito Marcelo Crivella não vai conseguir derrotar facilmente os moradores de Realengo. Parte da população local se mobilizou contra o empreendimento imobiliário e pressiona os vereadores a recusarem o projeto. Eles pedem que a prefeitura cumpra a promessa que fez e instale no local um Parque 100% Verde.

A carta do Movimento Parque Realengo Verde lembra a batalha de quem mora na região, “há 10 anos, nós moradores de Realengo, nos mobilizamos pela implementação do Parque Realengo, uma área verde de lazer em terreno abandonado de 142 mil metros quadrados, onde funcionava a antiga Fábrica de Cartuchos. Realengo é o quarto bairro mais populoso do Rio, com poucas opções de lazer e conhecido por ser um dos mais quentes da cidade”.

O vereador Renato Cinco leu a carta reivindicatória dos moradores no plenário da Câmara e pediu o adiamento do projeto. A proposta está em segunda votação e só precisa disso para ser aprovada e virar lei. O projeto voltará para a pauta de votação na próxima quinta-feira (22).

“Os moradores de Realengo vão perder qualidade de vida se aquelas árvores forem derrubadas para construir um condomínio. Não faz nenhum sentido nem do ponto de vista ambiental, nem do ponto de vista humano que essa obra seja autorizada pela prefeitura. Nós vamos continuar na batalha aqui na Câmara Municipal para defender um parque 100% verde, mas é evidente que os resultados vão ocorrer com a mobilização dos moradores”, frisou Cinco.

Assista o discurso na íntegra:

Assine
A Plataforma Meu Rio criou uma petição online para pressionar os vereadores a barrarem a proposta da prefeitura. O pleito já conta com mais de 2.500 assinaturas. Dê o seu apoio também: https://www.parquerealengoverde.meurio.org.br/