Tsunami da Educação: milhares nas ruas contra o desgoverno de Jair Bolsonaro

Na última terça (13), 40 mil pessoas tomaram as ruas do Rio em defesa da educação pública e contra a reforma da Previdência de Jair Bolsonaro. As manifestações se espalharam em mais de 200 cidades brasileiras, fazendo acontecer outra vez o Tsunami da Educação.

Em discurso no plenário da Câmara horas antes da manifestação, Renato Cinco lembrou que os sucessivos cortes no orçamento da educação já somam R$ 6,1 bilhões e algumas universidades, como a UFRJ, correm o risco de ter as atividades paralisadas antes do fim do ano devido a falta de recursos para a manutenção básica.

Não bastassem os cortes no orçamento de cerca de 30%, o MEC lançou em meados de julho, um outro projeto violento. Oficialmente, o Programa Institutos e Universidades Empreendedoras e Inovadoras (FUTURE-SE) “tem por finalidade o fortalecimento da autonomia administrativa, financeira e de gestão das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), por meio de parceria com organizações sociais e do fomento à captação de recursos próprios”. Na prática, é o caminho para a privatização da educação superior.

“O Programa Future-se, que tem sido carinhosamente apelidado de Fature-se, ataca a autonomia universitária, retira as garantias de financiamento público das universidades federais e apresenta como solução para a questão do funcionamento das universidades que elas passem a ser administradas por organizações sociais, de caráter privado. Isso é pá de cal na autonomia das universidades”, criticou Cinco.

Veja a íntegra do discurso:

Para nós, a única alternativa é a organização. Precisamos estar atentos e fortes para derrotar os abusos desse desgoverno. É preciso lembrar também que a luta contra a reforma da Previdência ainda não acabou. Para ser aprovada em definitivo, a reforma que já passou pela Câmara, será votada em dois turnos no Senado. Até lá, as ruas devem ser o principal palco da cidade.