Lute pela Amazônia

No dia 5 de setembro é celebrado o Dia da Amazônia. Este ano, com a política incendiária do governo Bolsonaro deixando a Floresta em chamas, a defesa do meio ambiente está mobilizando milhares de pessoas nas ruas do país.

Renato Cinco lembrou que a preservação da Floresta Amazônica é fundamental para a manutenção da vida nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. A umidade que vem da floresta para estas regiões é fundamental para existência de um ambiente com condições de ser habitável.

O avanço do rastro de fogo tem relação direta com a ganância expansiva do agronegócio. Quando a floresta vira cinza, entra o pasto com os bois. Um duplo ataque ao meio ambiente, que perde árvores e libera espaço para pecuária, que através da liberação de gás metano contribui para a intensificação do aquecimento global.

As queimadas têm relação direta com a expansão da fronteira agropecuária. De 1º de janeiro até o dia 22 de agosto foram registrados 39.033 focos de incêndio, quase duas vezes e meia, em comparação ao mesmo período do ano passado.

“O governo Bolsonaro é responsável pela aceleração da destruição do meio ambiente do país quando toma medidas administrativas concretas contra o sistema de vigilância ambiental e quando desmoraliza os nossos pesquisadores, ao atacar os números que revelavam de maneira até tímida, como depois comprovou a NASA, a aceleração do desmatamento na Floresta Amazônica,” apontou Cinco.

Veja a íntegra do discurso: