Câmara terá Comissão sobre uso terapêutico da maconha

Será criada na Câmara Municipal do Rio uma Comissão Especial para debater, estudar e acompanhar os usos de canabinóides como instrumento terapêutico. A Comissão, de iniciativa do vereador Renato Cinco, será composta de três parlamentares.

Demorou, mais o uso medicinal da maconha se tornou uma realidade no Brasil. Entretanto, o acesso a este tipo de terapia ainda enfrenta a barreira do elevado custo de importação.

O desconhecimento e preconceito são outros desafios que a medicina canábica precisa vencer. Na já conhecida linha de desprezo pelo conhecimento científico, o governo Bolsonaro não esconde que trabalha para evitar os avanços da maconha medicinal no Brasil.

Ao mesmo tempo existe uma movimentação de reconhecimento apenas do Canabidiol (CBD) como elemento terapêutico. Entretanto, o THC, mais famoso psicoativo da cannabis, é benéfico no tratamento de algumas enfermidades.

A maconha é uma planta com propriedades terapêuticas em diferentes aspectos: alívio de dores, náuseas, crises epilépticas, falta de apetite, etc. Cada uma dessas doenças depende da ação mais forte de um canabinóide ou da atuação destes em conjunto.

Neste contexto, a Comissão surge com objetivo de fortalecer a luta pacientes que podem ser beneficiados pelo uso da maconha e para enfrentar o obscurantismo científico que tenta atrasar as mudanças.